Como um dia alguém disse, e passamos a citar:”perdoar não é esquecer ou ter amizade com a pessoa que o prejudicou ou feriu, mas sim uma decisão consciente de libertar-se de um peso que lhe foi destinado (sem a sua permissão), e pelo qual não tem a obrigação de o carregar”.

Nenhum de nós está imune aos erros inerentes à jornada que é a vida: sempre tão desafiante e exigente, sempre a colocar-nos à prova, sempre. Hoje alguém o desiludiu, amanhã poderá ser a sua vez de desiludir alguém.

Perdoar é buscar a paz para si e não tornar-se igual a quem lhe feriu

O que faz toda a diferença é perceber o que fazer com esse sentimento de mágoa?

Viver com ele dentro de nós, como uma espécie de fruta podre que a cada dia que passa fica mais feia? ou recusar esse sentimento, sabendo humildemente perdoar, e com isso afastar toda essa negatividade da sua vida e sobretudo de si.

O que fazer?

Não dê a ninguém o poder de roubar-lhe a sua alegria, o seu bem-estar ou até mesmo a sua paz. Sabia que sentimentos com uma vibração mais baixa, tais como: o ódio, o desprezo, a raiva, a amargura, ou a tristeza – envolvidos na falta de perdão, podem inconscientemente bloquear mecanismos de auto-cura do corpo?

Afinal, não é por acaso que se diz que o nosso corpo é UM só – portanto, se a parte emocional está “doente” é inevitável que o corpo físico fique mais vulnerável (propenso a doenças “físicas”).

Liberte-se!

É desta forma, importante perceber que mensagem ou aprendizado terá que apreender com o que lhe magoou, e só. Desapegue-se de sentimentos menos positivos, saiba perdoar, que não significa necessariamente esquecer – e siga a sua vida, agora com o coração bastante mais leve.

Paz e Luz